Notícias

MINDSET de Start-up!

MINDSET de Start-up!

A mentalidade de iniciante é uma característica marcante não apenas nas startups, mas em gigantes como a Amazon, conforme anunciou o seu CEO, Jeff Bezos, o segundo homem mais rico do mundo, em sua carta aos acionistas.

Para ele e para a maioria das empesas que nasce no bolsão das inovações do Vale do Silício, todo dia é DIA 1. #day1

Como assim? Eu também fiquei curiosa e fui lá conferir, viajando numa imersão com mais de cem empresários para entender o ecossistema empreendedor das Startups e visitar algumas empresas específicas do setor. #siliconvalley

Estas empresas, que nascem, sem medo de fracassar, com um formato “temporário” e com um produto minimamente viável (MVP), estão mudando nossa forma de viver, de consumir produtos e serviços. E também de comer. #startup #foodtech

Para elas e para Bezos o dia 2 é estagnação. É ladeira abaixo. Só há então uma opção: viver todo dia com a curiosidade de principiante para manter a capacidade de inovar, de aprender, pivotar, conquistar o cliente e convertê-lo para comprar.

E é no mindset do dia 1 que estas empresas são as que mais arriscam, as que estão realmente fazendo inovação de valor. No mundo e também no Brasil.

Seu maior poder está na desburocratização. Não apenas de cargos, processos, mas a desburocratização mental. Sim! Elas nascem de empreendedores idealistas, que associam uma ideia a uma boa execução e assim mudam o jogo (#gamechangers).

Em diversos setores, inclusive alimentício, grandes corporações ainda inovam de forma incremental, mantendo ou gerando pequenos ganhos de market share. Quando o assunto é saúde, atendem a priori as pressões regulatórias, com metas de redução de sal, açúcar e gordura.

Mas então, de onde tem vindo a disruptura do setor alimentício?

Você há de concordar comigo que vem das startups quem nascem com o propósito de resolver um determinado problema da sociedade, ou seja, pensando em soluções para o ser humano e a partir deles. É muito comum você encontrar um empreendedor criando uma marca de leite vegetais porque tornou-se vegetariano. Ou uma mãe lançar um produto isento de corantes artificiais, porque o filho é alérgico.

Ou seja, se você trabalha ou quer empreender no setor, uma coisa é certa: só se inova investindo em pessoas, com o ser humano e suas dores no centro do processo. Isso aqui e no Vale!

Para isso, os designers e psicólogos tem nos ensinado a praticar a empatia, colocando desenvolvedores de produtos, marqueteiros, gestores e vendedores para enxergar sob a ótica do consumidor. Apesar de ser uma peça fundamental na construção de negócios, deve-se tomar cuidado para ser genuíno e verdadeiro, e não praticar simplesmente o marketing da empatia.

Grandes empresas já começam a mostrar seu interesse nesta nova forma de lançar produtos e construir negócios. Talvez você já conheça 3 formas de fazer isso: 1) nascendo como startup 2) comprando uma startup 3) acelerando uma startup. E nós gostaríamos de te apresentar uma outra opção: trocar expertises entre startups, scaleups, PMEs e multinacionais.

Acreditamos nisso porque vemos que de um lado há idealismo e disruptura , e de do outro, competências e uma experiência de logística, distribuição, processos.

Por isso acreditamos que é hora de sentarmos no mesmo lado da mesa para conversarmos!

Se você também concorda e quer participar desta conversa, escreva-nos com suas duvidas, apresente suas ideias e sua empresa para fazer parte deste networking.
startups@fi-events.com.br

Cynthia Antonaccio

ubm white

  Conectando pessoas e o mercado global

 

UBM: uma das maiores empresas do mundo em mídia de negócios

Nos mais de 30 países onde realiza seus eventos, a UBM constrói relacionamentos duradouros com especialistas e players do mercado e gera oportunidades que alavancam e fomentam o desenvolvimento da indústria local em âmbito global. Ler Mais

 

Filiada à     

 ubrafe branco

Newsletter

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
E-mail Inválido
Entrada Inválida
Inserir os letras Invalid Input