Notícias

Estabelecimentos locais oferecem fóruns com o intuito de aumentar a popularidade do vinho no Brasil

  • Embora o consumo de cerveja seja predominante no mercado brasileiro, negócios locais podem ajudar a apresentar outros tipos de bebidas alcoólicas ao consumidor, incluindo o vinho.
  • Menus de degustação e eventos nesses estabelecimentos podem encorajar o consumidor que bebe vinho apenas eventualmente.
  • Vinícolas poderiam abrir bares com a sua marca e os consumidores poderiam provar seus vinhos e saber mais sobre sua variedade de produtos

Citação pessoal: “Em um mercado onde o consumo de cerveja é dominante, esses estabelecimentos brasileiros podem criar menus e realizar eventos onde um número maior de consumidores se sentiriam mais à vontade ao consumir vinho. ”

Estabelecimentos locais podem ajudar no aumento do consumo de vinho onde o consumo de cerveja é dominante no Brasil

A cerveja tem o consumo garantido pelos Brasileiros que ingerem álcool. De acordo com a Mintel, essa estimativa é baseada em dados divulgados pela Economist Intelligence Unit, pelo IBGE e IBRAVIN. Além disso, o Brasil era um dos principais mercados consumidores de cerveja entre 2012 e 2016, com altas taxas de consumo, rápido crescimento e um grande número de lançamentos em produtos nesse setor.

Em comparação com as cervejas, tanto os destilados quanto os vinhos têm espaço para crescimento no Brasil. O vinho tem feito progresso no país durante a última década, porém seu consumo continua baixo. Em 2015, os brasileiros beberam menos de 2 litros de vinho per capita em comparação a quase 66 litros per capita de vinho.

Fonte: Economist Intelligence Unit, IBGE and IBRAVIM/Mintel

 

A preferência do brasileiro pela cerveja também é percebida quando há o consumo de bebidas alcoólicas fora da residência do consumidor, de acordo com o relatório da Mintel Beber Fora – Brasil, março de 2017. Aproximadamente dois terços dos brasileiros com idade acima dos 18 anos consomem álcool quando estão em locais como bares, restaurantes e outros estabelecimentos locais. A cerveja é de longe a bebida preferida, uma vez que é consumida por 56% dos brasileiros adultos que bebem fora de suas residências.

Em um mercado onde a cerveja domina em locais como bares, restaurantes e outros estabelecimentos podem servir como um ambiente que podem ajudar mais consumidores a experimentar outros tipos de bebidas alcoólicas. O vinho é consumido localmente por 27% dos brasileiros adultos, com 22% deles consumindo vinho e 13% champanhe ou espumante. Os adultos brasileiros que consomem vinho fora de suas casas têm interesse em aprender mais sobre a categoria, proporcionando uma vantagem aos estabelecimentos locais sobre os varejistas por oferecerem um formato interativo nos quais uma equipe fornece informações aos consumidores de vinho e o apresenta a um número maior de adultos brasileiros. 

Fonte: Lighstpeed/Mintel

Degustações de vinhos e eventos em estabelecimentos locais podem aumentar o entusiasmo

Bares, restaurantes e outros estabelecimentos locais oferecem áreas para consumidores que desejam se aventurar mais quanto a sua seleção de vinhos. A variedade disponível no menu e as orientações oferecidas podem encorajar a maioria dos possíveis consumidores de vinho a tentar algo novo, uma vez que esse consumidor costuma beber sempre as mesmas marcas de bebidas alcóolicas. Na realidade, possíveis consumidores de vinhos estão mais abertos a receber recomendações sobre novos produtos do que adultos que consomem bebidas alcoólicas em geral.

No entanto, existe uma hierarquia quanto às recomendações e possíveis consumidores de vinho são mais suscetíveis a confiar em uma sugestão feita por algum familiar ou amigo do que um barman ou garçom. Ainda assim, estabelecimentos locais funcionam como ambientes para apresentar aos consumidores novos tipos de vinho que podem, em troca, incentivá-los a divulgar tais produtos aos amigos e familiares.

Fonte: Lightspeed/Mintel

Uma das maneiras de se educar visitantes sobre vinhos é oferecendo um menu de degustação ou eventos. Degustações que envolvem bebidas alcoólicas são apreciadas por 39% dos brasileiros possíveis consumidores de vinho e 44% de possíveis consumidores de champanhe ou espumantes. Desta forma, estabelecimentos locais poderiam aumentar sua oferta de vinho ou oferecer eventos de degustação onde adultos poderiam saber mais sobre vinhos. Tais eventos didáticos podem transformar consumidores em defensores desse tipo de bebida.

Fonte: Lightspeed/Mintel

De fato, alguns consumidores de vinho frequentam estabelecimentos locais para conhecerem mais sobre novas bebidas alcóolicas que acabam comprando mais tarde para o consumo em suas casas. Especialmente os consumidores de champanhe e espumante, que representam 44%, concordam que estão provando novas bebidas alcóolicas em bares ou restaurantes e isso faz com que eles queiram comprar essas marcas para consumi-las em casa. Consumidores de vinho são mais suscetíveis a comprar as marcas que experimentam nesses estabelecimentos para consumi-las em casa do que consumidores de álcool em geral.

Participantes de eventos para vinhos ou menus de degustação podem obter descontos na rede varejista de uma determinada marca de vinho. A exposição do produto é importante porque os consumidores brasileiros de vinho são parcialmente mais suscetíveis a consumir vinho em suas casas do que em outros locais, de acordo com o relatório da Mintel, Vinho – Outubro, 2014. A residência é o local preferido por 61% dos adultos brasileiros que consomem vinho e/ou espumante no primeiro semestre de 2014, em comparação com 47% que consomem vinho fora de suas casas. Como o Brasil continua a enfrentar uma economia em recessão, o preço tem sido um fator relevante quanto ao consumo de bebidas alcóolicas dentro e fora das residências dos consumidores, pois bares, restaurantes e outros locais cobram um valor maior do que lojas de varejo.

Vinícolas podem abrir bares com suas marcas onde adultos podem saber mais sobre vinho

Além da parceria com os negócios locais já existentes, os adultos brasileiros que consomem vinho fora de suas residências concordam que bares proporcionam espaços nos quais eles podem saber mais sobre a marca e/ou sua gama de produtos. Bares de propriedade da marca interessam a 27% dos consumidores de vinho e 36% dos consumidores de espumante, pois eles concordam que os bares de propriedade dos produtores oferecem uma boa oportunidade de explorar a variedade de produtos oferecida eles.

As vinícolas podem seguir o mesmo caminho da marca de cerveja Goose Island, da Anheuser-Busch InBev, que abriu um bar de marca em São Paulo no final de 2016. A Goose Island possui uma cervejaria no local, onde faz uma cerveja de trigo local chamada Goose Brasil e planeja criar cervejas sazonais utilizando ingredientes dos mercados vizinhos. As vinícolas poderiam criar conceitos similares onde eles podem oferecer degustações de vinhos e mais informações sobre como o vinho é feito, conselhos de combinação entre alimentos e sugestões sobre receitas de coquetéis feitos à base de vinho.

Para aumentar o interesse em bares de marca, as empresas podem criar quiosques, ou estabelecimentos temporários, que ficariam abertos por tempo limitado ou têm locais secretos ou menus. Conforme explorado pela Mintel no relatório In The Know, o burburinho criado por esses locais ou menus secretos incentiva os consumidores a experimentar novas bebidas alcoólicas porque os locais ou menus não são permanentes. Além disso, os degustadores de vinho no local são mais propensos do que os consumidores em geral a concordar que os bares temporários são uma maneira interessante de experimentar novas bebidas alcoólicas.

Fonte: Lightspeed/Mintel

A visão do analista

  • Os estabelecimentos podem criar eventos ou menus que podem instruir degustadores de vinho e apresentar um número maior de brasileiros adultos ao vinho.
  • Recomendações de familiares e amigos são as mais influentes aos consumidores de vinho, porém as marcas dessas bebidas podem ensina-los mais sobre vinho buscando criar defensores genuínos. 
  • Podem ser dados descontos a participantes de eventos de vinhos a serem utilizados em lojas do varejo como forma de incentivar o consumo da marca no futuro.
  • As marcas podem criar seus próprios bares ou quiosques usando suas marcas em locais onde consumidores de vinho podem explorar e saber mais sobre uma gama específica de produtos.

 Matéria exclusiva disponibilizada por: Mintel

 

 

 

ubm white

  Conectando pessoas e o mercado global

 

UBM: uma das maiores empresas do mundo em mídia de negócios

Nos mais de 30 países onde realiza seus eventos, a UBM constrói relacionamentos duradouros com especialistas e players do mercado e gera oportunidades que alavancam e fomentam o desenvolvimento da indústria local em âmbito global. Ler Mais

 

Filiada à     

 ubrafe branco

Newsletter

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
E-mail Inválido
Entrada Inválida
Inserir os letras Invalid Input